Warning: ob_start(): non-static method wpGoogleAnalytics::get_links() should not be called statically in /home/ericnsantos/manualdastartup.com.br/blog/wp-content/plugins/wp-google-analytics/wp-google-analytics.php on line 259
Repensando a formação dos empreendedores de tecnologia | Manual da Startup

Repensando a formação dos empreendedores de tecnologia

Uma Startup de tecnologia é um “bicho” completamente diferente de uma empresa tradicional. Por razões óbvias as Startups não têm as mesmas características de uma grande empresa (recursos, processos, hierarquia, etc.), mas também diferem muito de uma Pequena ou Média Empresa tradicional (franquias, concessionárias, padarias, consultórios, agências, etc.). Comparado com as PMEs, as Startups de tecnologia possuem um grau de risco muito mais elevado, mas por outro lado também têm potencial de escalar muito além de um crescimento linear. Porém, especialmente aqui no Brasil, há um vácuo na formação desse tipo de empreendedor.

As escolas e cursos de administração tradicionais são capazes de formar bem o gestor de nível médio de grandes empresas. Todo o contexto dos cursos (graduação, pós, MBA, etc.) das principais universidades é orientado para “formar o aluno para o mercado de trabalho”. Além das instituições formais e diversos eventos, publicações como a HSM ou a Exame também são voltadas para auxiliar bastante nessa formação de gestores de grandes empresas.

Já para as PMEs, apesar de faltarem universidades com bons programas de formação de empreendedores, há instituições que fazem um ótimo trabalho neste campo, tais como o SEBRAE e a Endeavor. Também existem publicações voltadas para esse público, como a Exame PME, PEGN, entre outros. O mesmo acontece com os livros sobre empreendedorismo, que estão bem voltados para esse tipo de empresa. Até o empreendedorismo social está coberto com organizações como a Artemisia, Aliança Empreendedora e The Hub.

No parágrafo anterior, não foi por acaso que apontei os links para os blogs de algumas dessas organizações. Nessa seara de empreendedorismo, os blogs já fazem um papel muito importante na formação do empreendedor. Além desses, há outros ótimos como o Saia do Lugar, Blog do Empreendedor, Miguel Cavalcanti, ResultsOn, Fabio SeixasLeo Kuba, Pierre SchurmannInsistimento, Marcelo ToledoTribo do MouseBizRevolution, entre outros. Muitos desses blogs cobrem tecnologia e Web de diversas formas, mas não são necessariamente orientados para discutir empreendedorismo de base tecnológica.

E as Startups de Tecnologia?

Como eu disse acima, Startups de tecnologia (principalmente Web-based) são um “bicho” diferente, e por isso também exigem técnicas, recursos, equipe, processos e investimento de natureza diferente. É nesse campo que acredito que temos muito a andar ainda.

Primeiro, as instituições formais (universidades) não estão nem um pouco preparadas para ensinar isso. Ainda próximo do ambiente acadêmico, as incubadoras de empresas de tecnologia funcionam muito mais como apoio básico para Startups – escritório mais barato, ajuda legal, contábil, de RH, etc. – do que para ensinar e fazer mentoring para empreendedores.

Há algumas iniciativas esparsas que ajudam no aprendizado e motivação dos empreendedores de tecnologia, como por exemplo o Startup Meetup, o Desafio Brasil, o BizSpark e o Seed Forum FINEP. Ainda nas instituições, ao contrário do que acontece nos EUA, os Angels e fundos de Seed Money aqui no Brasil ainda têm um papel bastante tímido na disseminação de conhecimento (confira a lista deles aqui nesse post da Aceleradora). Já a Aceleradora é uma iniciativa diferenciada, tanto pelo seu trabalho com as Startups selecionadas quanto pelo conteúdo do seu blog.

E por falar em blogs, é aqui que o empreendedor Web brasileiro consegue aprender alguma coisa de verdade, mas em geral tem que recorrer aos blogs e livros de empreendedores/investidores dos EUA. Sem dúvida é possível aprender muito com eles, mas há momentos em que as práticas não se aplicam ao contexto específico do Brasil. Por aqui há bons blogs de cobertura e análise da indústria, como ReadWriteWeb Brasil, Habilidade 20%Startupi (fora alguns regionais, como o TISC) e outros bons (ainda que um pouco parados), como o Acelerando a Inovação e Aprendendo Empreendendo. Uma das minhas intenções aqui no Manual da Startup é ajudar nessa tarefa de formação.

O problema é que, pela natureza e grande diversidade dos blogs, é muito difícil aprender de uma maneira mais sólida, mais profunda. Os blogs são ótimas fontes de dicas, práticas e até motivação pessoal, mas falta um modelo (framework) para encaixar essas informações e ajudar o empreendedor a tomar decisões, sabendo o que priorizar a cada momento e identificar o que é progresso em cada fase da Startup.

Apesar do grande degrau entre o Brasil e EUA, essa falta de modelo não é exclusividade nossa. Criar esse framework de forma conjunta e inseri-lo nas instituições de ensino (americanas, no caso) é o desafio que o Steve Blank assumiu. O vídeo abaixo – último da série sobre a Startup Lessons Learned Conference – é indispensável para entender direito esse desafio de formação de empreendedores de Startups de tecnologia.

Steve fala sobre como esse movimento de Lean Startups está ajudando a criar a primeira grande “metodologia” para empreendedorismo em Startups de tecnologia, baseada nos conceitos de Customer Development e apimentada com práticas e experiências que estão sendo compartilhadas de forma bastante rápida e transparente por diversos empreendedores. Em paralelo a isso, incubadoras 2.0 como a YCombinator e TechStars têm feito um ótimo trabalho na parte de mentoring, mas sem uma grande preocupação com processos. A junção dessas duas coisas seria um ótimo passo mais escalável nessa formação de empreendedores, o que segundo Steve após algum tempo seria seguido por instituições como Stanford, Harvard, etc.

Acredito que podemos fazer coisas bem semelhantes aqui no Brasil. Ideias? ;)

Para fechar, deixo o vídeo e os slides da palestra dele abaixo:


Watch live video from Startup Lessons Learned on Justin.tv




Gostou do blog? Acompanhe no meu Twitter as atualizações e outros artigos interessantes sobre empreendedorismo e Startups. Para assinar o blog, pegue o RSS aqui.

  • http://www.saiadolugar.com.br Millor Machado

    Eric,

    Antes de tudo agradeço muito a menção ao Saia do Lugar na sua lista.

    Realmente estamos engatinhando na criação de processos para a formação de empreendedores de tecnologia. Porém, pessoalmente acho que estamos caminhando a passos largos para mudar essa realidade.

    O fato de termos blogs como o Saia do Lugar e o RWW com mais de 70 mil visitas por mês é um sinal de que no mínimo, temos um mercado potencial de empreendedores wannabe. Acho que os blogs que você citou têm exercido uma importância fundamental pra “espalhar a palavra”, daí é importante pensarmos nos próximos passos.

    Na Unicamp especificamente, o modelo geralmente é:
    - Faça um mestrado ou doutorado em uma área extremamente inovadora
    - Consiga a patente pro resultado dessa pesquisa
    - Arranje kilos de dinheiro de editais
    - Desenvolva e lance o produto no mercado

    Ou seja, customer development e Lean Startups não fazem parte do modelo. Imagino que nas outras universidades aconteça algo parecido.

    Um projeto bacana que começou na semana passada é o curso Mockup. Usando a tecnologia de EAD chamada Treina TOM, temos uma turma de 20 pessoas que além das aulas, tem interagido muito em um pequeno grupo de e-mails.

    A ideia é aproveitar esse projeto piloto e fazer várias turmas do curso e estimular ao máximo a interação entre essas pessoas.

    Além disso, se você acompanhar a palavra empreendedorismo no Twitter vai ver que é impressionante a quantidade de pessoas falando sobre aulas de empreendedorismo dadas no Brasil, tanto em universidades quanto escolas. Isso é um esforço da Endeavor que tem dado muito certo.

    Além da expansão dessas turmas via EAD, uma possibilidade real é começarmos a inserir os conceitos de Lean Startups nas universidades em que já existem essas aulas. Na Unicamp pelo menos sei que é bem possível a criação de uma matéria específica sobre esses conceitos.

    No grupo de estudos do Mockup, percebi que a grande maioria das pessoas do curso é formada por profissionais de TI que estão em empresas e não podem pular de cabeça num projeto próprio principalmente por causa da questão financeira. Ou seja, a filosofia Lean Startups cai como uma luva para que eles possam fazer experimentos antes de sair dos empregos.

    Considerando que existe uma demanda por capacitação em conceitos de Lean Startups e existem profissionais interessados em ensinar sobre essa área (você e Yuri sendo as maiores referências), é uma questão de formatar projetos e popularizar esses conceitos.

    Resumindo, sou um grande otimista de que estamos começando um movimento muito forte pra capacitação de empreendedores de tecnologia.

    Abraços!

  • http://twitter.com/DiegoRemus Diego Remus

    oi Eric. é isso mesmo, estamos em formação.

    acho bom citar ainda o evento-movimento de palestras, painéis e networking http://www.TechValley.com.br, que já vem acontecendo, e, especialmente o http://StartupWeekend.org, evento intensivo de criação de startups, que estamos trazendo ao Brasil em novembro ;)

    abraço

  • http://twitter.com/gjmveloso Gustavo Veloso

    É só tentarmos nos lembrar o que existia de conteúdo e, principalmente, de interação na cena de startups de tecnologia no Brasil há 2 anos atrás: muito pouco, praticamente nada.

    É tudo muito recente e caminha muito bem. Vejam os blogs citados pelo Eric, vejam a iniciativa espetacular da Aceleradora. Vejam o destaque obtido pela Predicta e pela Sambatech na revista TIME.

    Só falta mesmo as universidades daqui darem suporte, de fato, aos inúmeros potenciais empreendedores que estão sendo formados, (in)felizmente fora da sala de aula.

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Oi Millor,
    Valeu pelo comentário detalhado.
    Concordo plenamente contigo que a situação está melhorando e que o movimento está começando a amadurecer por aqui. Mas ainda assim vejo uma diferença grande esses cursos de empreendedorismo que aparecem no Search do Twitter ou mesmo pelas iniciativas da Endeavor (nada contra, são excelentes) se compararmos a essas necessidades especiais das Startups de tecnologia.
    Product/Market Fit, Customer Discovery, Métricas, UX, A/B Testing, Viralidade, Retenção, Escalabilidade, são apenas alguns exemplos de coisas que não passam nem perto desses programas de empreendedorismo de PMEs “normais” que conhecemos. Até acho que os Editais da FINEP devem fazer parte dessa formação aqui. ;)
    De qualquer forma, parabéns pelo Mockup. Com certeza é um projeto que já entra mais nessa linha. Conte comigo no que precisar.
    Abs!

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Valeu pelo comentário Gustavo. É verdade, temos bem mais coisas hoje do que há dois anos.
    Enquanto as Universidades e outras instituições não entram no barco, vamos fazendo o que dá. ;)
    Abs

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Fala Diego,
    Valeu pelas sugestões. Não participei dos eventos então não tinha como comentar sobre eles, mas vou fazer um update com as indicações.
    Quando mesmo vai ser o StartupWeekend?
    Abs!

  • http://twitter.com/richardrx richardrx

    Olá Eric,

    Estou empreendendo numa startup web-based e após alguns meses desde a pesquisa inicial até o lançamento do produto beta acabei passando por quase todos os blogs que citou (além claro de blogs e livros grigros), senti na pele essa falta de um wireframe para ser aplicado, principalmente de alguma coisa mais prática e estudos de caso, especialmente aqueles que falham por motivos não comuns.

    O que acaba acontecendo é que algumas pegamos a experiência “roubada” mais em comentários de blogs de empreendedores do que em seus posts, simplesmente porque muitos assuntos tratados acabam gerando discussões muito interessantes, algo que acontece aqui com certa frequência inclusive.

    No mais é isso, acredito que talvez deva existir uma ponte entre a teoria relacionada as lean startups bem como algumas das coisas que você citou (Teste A/B, métricas espec[iificas de conversão, viralidade, etc) e a aplicação prática de cada um.

    Eu simplemente acho difícil certos eventos, muitos deles são em dias ruins, vejo talvez uma solução para isso a criação de audiocasts e talvez vídeos, aonde também existe grande grau de interação e possibilita a discussão.

    Abraços!

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Oi Richard,
    Essa é a maior sugestão que eu recebo aqui: compartilhar cases de Startups do Brasil e práticas mais detalhadas.
    Vou tentar arrumar uma forma de melhorar nesse lado. ;)
    Abraços e valeu pelo comentário!

  • http://blog.marcelotoledo.org Marcelo Toledo

    O que me preocupa neste exato momento é o nosso cenário político, mais a soma de uma copa do mundo e uma Olimpíada. Se o Brasil não entrar em colapso nos próximos 4 anos, acho que todo esse investimento que todas essas pessoas e organizações que você citou estão fazendo, provarão o resultado.

    Pra mim é uma questão de tempo e amadurecimento da industria, no caminho certo, nós estamos, o que falta é sangue nos olhos e vontade das pessoas empreenderem, errarem, tentarem de novo e não desistirem até conseguirem. Nós temos potencial humano, mas como você falou, ninguém nos ensinará a como fazer isso, por tanto temos que nos unir para absorver ao máximo o conteúdo de quem já faz isso bem e disseminar por aqui, para quem sabe um dia, nos tornarmos referencia e geradores empresas/conteúdos/frameworks/etc.

    Parabéns pelo artigo e obrigado pela menção.

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Oi Marcelo,
    Interessante você falar do aspecto político. Sem querer “meter a mão na cumbuca” das eleições, sei de alguns movimento de entidades, entre elas algumas do governo como a FINEP, que estão trabalhando para que a Copa e a Olimpíada sejam uma espécie de “projeto Apollo” do setor de tecnologia. Claro que temos que filtrar toda a empolgação e a parte do dinheiro que vai pro ralo, mas com certeza pode ser um bom empurrão.

    Sobre o potencial humano e amadurecimento da indústria, concordo plenamente. Minha intenção com o post foi justamente mostrar que, apesar do movimento, há um certo vácuo na formação deste tipo de empreendedor que precisa ser preenchido, e também acho que isso virá principalmente da união e compartilhamento de best practices dos caras que estão “na arena”.

    Abraços e valeu pelo comentário.

  • Antônio Inocêncio

    Também acredito que o que está faltando é uma maior abertura das Universidades do nosso país para o tema Empreendedorismo, no sentido de formação de empreendedores. Em muitos lugares, os professores ainda são muito acadêmicos, sem acompanhar muito a dinâmica do mercado. Mas já percebo mudanças.

    Posso falar pela minha faculdade, o Centro de Informática da UFPE. Nela, alguns professores vêm realizando pesquisas na área de empreendedorismo e, algumas, voltadas para as startups que estão surgindo. Quando ingressei no curso de Ciência da Computação [2005.2], pouco se falava sobre abertura de empresas por parte dos alunos. Muitos entravam pensando em serem contratados pelas grandes empresas da área e ganharem bons salários. Hoje, 5 anos depois, percebo que muitos têm vontade e já começaram a se arriscar na abertura dos seus próprios negócios e alguns professores passaram a estimular isso fortemente, que é o caso de Silvio Meira.

    O Porto Digital, parque tecnológico aqui de Pernambuco, lançou, recentemente, uma incubadora de empreendimentos com um modelo inovador, a “C.A.I.S do Porto”. O foco dela é nos Empreendedores, e não nas empresas. Isso já é um sinal de que várias instituições estão acordando para a necessidade de formar empreendedores.

    Acredito que estamos no caminho certo!

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Muito legal Antônio. Bom saber que aí no Recife o movimento também está crescendo forte. O Silvio Meira certamente sabe se posicionar nacionalmente no cenário da inovação, e tenho certeza que serve de muito estímulo para os graduandos aí.
    Abs!

  • Gustavo Simoes2007

    Muito bom o texto!!! Parabéns!!! Sou empreendedor e tenho uma startup em tecnologia. Na área de nanotecnologia, voltada para indústria química (Nanox – nanox.com.br . Nossa dificuldades são semelhantes e todos os exemplos similares que temos são da área de TI, mas muitas vezes não se aplicam ao mercado químico.
    Abraço
    Gustavo Simões
    @lgustavosimoes

  • http://twitter.com/flozlogullo Flavio Logullo

    Ótimo post Eric. Bacana ver as idéias que surgiram aqui nos comentários.

    Eu, particularmente tenho o receio que para evoluirmos na formação dos empreendedores a metodologia de ensino por aqui deveria sofrer uma revolução. As instituições de ensino teriam que passar a considerar a experiência um critério tão importante quanto a formação dos seus professores. Algo como a Singularity University. Aliás, a FIAP está abrindo agora um programa em parceria com eles (http://www.fiap.com.br/executiveprogram/) que eu já vejo como um esboço de reação a essa nossa necessidade ainda abandonada.

    Fora isso, a idéia de criar um framework adaptado para a nossa realidade é fantástica. Acho que a gente poderia se organizar para começar a criar algo neste sentido.

    Vou separar um tempo para contar como está sendo o aprendizado com o Granatum. Muitos erros, acertos e adaptações. Vai valer a pena contribuir.

    Um grande abraço!

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Valeu Flavio, suas experiências com o Granatum certamente vão ajudar nessa construção do “framework brasileiro”. Vou tentar pensar com mais cuidado nisso nos próximos dias.

    Sobre a Singularity University, já ouvi falar um pouco mas ainda não conheço bem. Vou dar uma olhada no link depois. Valeu pela indicação.

    Abs!

  • http://startupi.com.br/en/2010/national-small-and-micro-business-day/ startupi » National Small and Micro Business Day

    [...] I also recommend listening to the podcast “O cenário do empreendedorismo tecnológica no Brasil,” in which I had the pleasure to participate along with people from Empreendecast, Saia do Lugar and ReadWriteWeb (which turned one year old on October 5 – congratulations!). Also read the post by Eric Santos about the education of a technology entrepreneur. [...]

  • http://sebastianconcept.com sebastian concept >>>

    Pois é.

    Quer uma boa?

    Semana passada apresentamos nossa empresa e produto principal para 4 consultores do SEBRAE. No meio da apresentação antes de falar um diferencial do nosso produto perguntei “vocês já leram o long tail do Chris Anderson ne?” eles me olharam como se eu fosse um alien.

    So para ficar de cereja no bolo um perguntou em tom indignado: “…mas vocês não aclaram o perfil de quem vai contratar, o que eles são formados?”

    Ao que falei: “não coloquei porque não tem universidade formando o que cria nosso diferencial, eu quero um cara que domina tão bem a engenharia que sente chatice dela e vira psicólogo, ou antropologo e designer industrial. Como isso não tem, nos sabemos que teremos que criar essa cultura na empresa com quem estiver com atitude a competencia afim”.

    Ai o cara, na visão dele, deve ter confirmado que sou um alien mesmo.

  • http://matheuszeuch.com Matheus Zeuch

    Ótimo post!

    Vi um crescimento forte nos últimos anos no suporte ao empreendedorismo no Brasil. Lembro que poucos anos atrás existia muito pouco blog, portal e até mesmo revistas especializadas no assunto. Quando comecei à escrever meu blog (http://matheuszeuch.com) na mesma hora comecei à receber muitos emails com dúvidas sobre como começar um negócio, como agir num problema do dia a dia, como melhorar o negócio e alcançar as metas, etc. Hoje já não consigo mais responder todos os emails.

    Atualmente já estão surgindo empresas e consultores especializados que estão colaborando muito com o surgimento de novos negócios. Sem dúvida estamos tendo um avanço nessa área no Brasil, o que é excelente!

    E ainda acho que podemos ajudar muito mais. Todo ano sobram recursos do governo de incentivo à inovação e faltam bons projetos. As incubadoras da empresas ainda tem bastante trabalho pela frente. Assim como autores de blogs, livros, revistas e consultores.

    Abraço!

  • http://twitter.com/ericnsantos Eric Santos

    Verdade Matheus.
    Eu só não recomendaria para consultores trabalhar nessa área, porque, quase que por definição, as Startups não têm dinheiro. :P
    Abs

  • http://twitter.com/Tiago_oleM Tiago Melo

    Estou vendo minha vida empreendedora aqui em seu Blog!

  • http://twitter.com/Tiago_oleM Tiago Melo

    Estou vendo minha vida empreendedora aqui em seu Blog!

blog comments powered by Disqus
Get Adobe Flash playerPlugin by wpburn.com wordpress themes